Publicado por: iasdpvai | 20 de março de 2010

Namoro

Namoro: Preparando-se para um casamento bem sucedido

Nancy L. Van Pelt

Bill e Nina encontraram-se na igreja. Depois sairam para comer alguma coisa. “Conversamos durante horas”, disse Nina. “Jamais encontrara alguém com quem podia me comunicar tão depressa. Naquela noite o fiquei conhecendo melhor do que todos os outros rapazes que eu tinha namorado. Contei-lhe coisas sobre mim mesma que nunca tinha partilhado com qualquer outro. Encontramo-nos todas as noites durante uma semana e então Bill propôs. Sabia que era a coisa certa, e aceitei”.

Bill também se lembra daquela primeira semana. “Nina era a menina mais inteligente e bonita que eu jamais encontrara. Mal podia tirar meus olhos dela. Eu queria tocá-la e segurá-la. Ela possuía uma forte atração sexual. Víamo-nos cada dia. Eu estava fisgado. Nunca amei a ninguém como eu a amava. Sabia que isso era o fim. Tínhamos de nos casar”.

Bill e Nina se casaram — um mês depois de se encontrar. Quatro meses mais tarde eles se separaram e pediram divórcio.

Que aconteceu de errado? Duas pessoas boas, honestas em seus sentimentos um pelo outro, casaram-se e depois viram seu casamento destruído, suas esperanças desfeitas.

Olhe antes de dar o pulo

A maior tragédia no namoro é de casar-se antes de ultrapassar a onda de sentimentos apaixonados e depois descobrir-se casada com uma pessoa totalmente desqualificada. A sociedade chama isso “casamento fracassado” quando na realidade é um “namoro fracassado”.

Mais de um milhão de divórcios ocorrem nos Estados Unidos. A maior parte dos pares casam-se dentro de sete meses depois de se encontrarem. A duração média desses casamentos é de sete anos, com cerca da metade desintegrando-se dentro de três anos. Cada um desses casais apresentou-se ao altar, os olhos brilhando de alegria, prometendo amor e fidelidade para sempre, não prevendo que estavam cometendo o maior erro de suas vidas. Que aconteceu com suas conversas cintilantes, as promessas cheias de ternura, os olhares lânguidos, abraços apertados, beijos apaixonados e sussurros de amor?

Emoções ardentes vencem o bom senso e as pessoas se precipitam em compromissos que podem lamentar nos anos subseqüentes. Não há tal coisa como amor instantâneo. Relacionamentos fortes e duradouros precisam ser espaçados durante um longo período quando “aprendendo a conhecê-lo” é o tema principal. É por isso que eu enfatizo ir mais devagar, e olhar cuidadosamente antes de saltar.

Etapas no namoro

O namoro procede em sete etapas. Cada etapa tem uma função e propósito em vista de estabelecer uma base para a relação. Se qualquer etapa é apressada ou pulada, há uma lacuna no desenvolvimento da relação, e problemas resultam.

Etapa 1: Amizade. Durante esta etapa vocês chegam a conhecer um ao outro enquanto participam de atividades sociais, recreativas, espirituais e intelectuais sem romance. A maior parte destas atividades são de grupo e não de parzinhos. Esta etapa é mais casual e menos emotiva do que as etapas seguintes, visto não haver implicações românticas ou sexuais.

Amizades envolvem menos stress do que namoros, e não há necessidade de pretender. Muitas vezes amigos são mais honestos uns com os outros do que namorados.

Fazer amizade antes de ficar envolvido emocionalmente tem bastante sentido. Se vocês se enamoram depressa demais e não dá certo, vocês raramente se tornarão amigos de novo. Se você tomar tempo para conhecer alguém no nível de amizade primeiro e permitir que o amor cresça lentamente e gradualmente, é mais provável que tenham um amigo para toda a vida, quer se case com essa pessoa ou não. Além disso, amores que se inflamam instantaneamente usualmente se apagam com a mesma rapidez. E é mais provável que você seja julgada por qualidades superficiais como sua aparência física do que pelo caráter.

É mais difícil continuar como amigos do que como namorados. É fácil quando você se sente atraída por alguém de dar a partida e disparar. É infinitamente mais difícil desacelerar. Mas escolher o caminho rápido e fácil raramente cria um relacionamento que dura porque quando conflitos surgem, a tendência é de escolher o caminho mais fácil — desaparecer.

Etapa 2: Encontros casuais. Dois amigos agora se afastam do grupo para desfrutar atividades que já aprenderam a apreciar juntos. Visto que o grau de envolvimento emotivo entre eles é baixo, ambos estão livres para ter encontros com outros. Não se consideram estar apaixonados. Tempos agradáveis são partilhados juntamente com uma amizade que pode ser promissora para o futuro.

Um parzinho devia permanecer na etapa de amizade e encontros casuais de seis a doze meses. Esse é o tempo de aprender a conhecer os gostos, desgostos, o passado, hábitos e comportamentos. Se o que aprendem nesse ritmo vagaroso concorda com o que esperam, eles podem lentamente passar para a etapa três. É possível permanecer amigos durante meses e mesmo anos sem se tornar envolvido romanticamente.

Etapa 3: Encontros ocasionais. Encontros ocasionais é uma etapa intermediária. Há uma ligação emotiva crescente entre os dois, mas ainda não alcançaram o compromisso que se requer de uma relação estável. Estão passando mais tempo juntos mas não estão ainda namorando de modo permanente.

Etapa 4: Encontros regulares. Nessa etapa, há um entendimento entre os dois de que não vão namorar outra pessoa. Vêem-se mais freqüentemente do que no encontro casual. Pela primeira vez, palavras como compromisso e exclusivo são usadas. Encontros regulares provêem uma oportunidade de se examinarem cuidadosamente sem compromisso de casamento. A etapa também testa a relação com mais rigor. Revela se as duas pessoas são capazes de se manterem comprometidas com uma relação — um fato vital a conhecer antes do casamento ser considerado.

Nesta etapa um parzinho pode pensar que se amam, mas ainda não têm certeza. Mas há a oportunidade para que desenvolvam confiança em uma pessoa do sexo oposto durante um período longo. Muitos traços de personalidade podem ser observados durante esta etapa — senso de humor, habilidade de ouvir, maneiras, ponderação, espiritualidade e maturidade, como resolve diferenças de opinião e habilidades de comunicação.

Encontros regulares provêem um período de prova durante o qual o parzinho pode fazer decisões inteligentes quanto à sua compatibilidade. Também significa intensificar um sentimento de amor ao passarem mais tempo sós. O impulso sexual pode estar explodindo de modo acelerado. O sexo agora confundirá as emoções e complicará o processo de distinguir paixonite do verdadeiro amor. Encontros regulares requerem renúncia, paciência e disciplina — traços que vão longe em construir uma relação que dura. Forma uma ponte natural ao pré-noivado e ao noivado formal.

Etapa 5: Pré-noivado. Pré-noivado é a etapa na qual o parzinho começa a sondar a possibilidade de casamento. O parzinho fala do casamento — “algum dia”. Algum dia, quando terminarmos a faculdade, ou ganharmos uma promoção, ou quando as circunstâncias se tornarem favoráveis. Toda conversa e planos são de caráter tentativo, mas o parzinho está mais seguro de que foram feitos um para o outro. Seu entendimento é privado e pessoal e não tanto final ou obrigatório.

Durante esta etapa, um parzinho pode ponderar se seus estilos de vida e personalidades são bastante compatíveis para se casarem. Muito do que costumava ser discutido somente durante um noivado formal é agora aberto para escrutínio. Esta abordagem devia tornar o noivado mais significativo e reduzir o número de noivados rompidos.

Visto que comunicação efetiva é o maior contribuidor para um casamento estável e satisfatório, o alvo mais importante para um parzinho no nível cinco é de avaliar e aperfeiçoar sua habilidade de comunicar. Essa é a última oportunidade para fugir de uma relação sem ofender a ninguém.

Etapa 6: Noivado formal. O noivado formal segue a conversa de “algum dia” da etapa cinco. Envolve um senso profundo de compromisso que não vem com o namoro regular ou pré-noivado. Ha várias coisas que distinguem o noivado formal da etapa do pré-noivado. Um anúncio de noivado formal alerta amigos e famílias de que o parzinho pretende casar. Provê uma oportunidade para outros se ajustarem ao fato de que uma nova família logo vai-se formar, e que um novo membro vai unir-se à família maior. O anúncio público também fortalece o compromisso. Quanto mais pessoas souberem do noivado, tanto mais certo que o par vai casar-se. Assim um noivado secreto não vale em absoluto como noivado.

Em segundo lugar, o noivo oferece um presente à futura esposa para tornar o noivado mais solene. Este presente é um símbolo de compromisso de um para o outro e fortalece ainda mais o compromisso do par.

Em terceiro lugar, a data do casamento é marcada e começam os planos para o casamento. O noivado não é um fim em si. É um compromisso que precede o casamento. Portanto, planos para o casamento devem proceder. Um noivado sem data de casamento destrói o valor do noivado.

Durante o noivado, expressões de afeição tornam-se mais intensas porque estão na transição entre fazer a corte e o casamento. Por causa desta urgência de satisfazer o desejo natural de intimidade irrestrita, noivados curtos de seis a nove meses são o ideal. Se o parzinho gastou dois anos para se conhecerem um ao outro antes do noivado, um período curto de noivado é suficiente.

Essa é a última oportunidade de examinar o futuro parceiro antes de se amarrarem para o resto da vida. Esse é o tempo para trazer à luz quaisquer diferenças não resolvidas ou para revelar quaisquer segredos, examinando e re-examinando suas avaliações.

O noivado não é um contrato selado que para sempre une o destino de um casal. É possível que um par de noivos possa decidir não casar-se. Isso não é uma ocorrência rara. Cerca de 40 ou 50 por cento de todos os noivados se rompem. Por penoso que seja, um noivado rompido é melhor do que um casamento rompido.

A tarefa mais importante a ser feita durante o noivado não é o planejamento do casamento, mas aconselhamento pré-marital com um pastor qualificado ou um conselheiro profissional. Todo casal devia ter um mínimo de seis sessões de aconselhamento antes do casamento.

Etapa 7: Casamento. O casamento é diferente das seis etapas prévias visto ser final e com recursos legais necessários para dissolver a relação mediante o divórcio. Ele devia ser uma continuação da fase romântica do noivado, caraterizado por afeição, respeito e cortesia.

Pondo a carroça adiante do cavalo

Infelizmente, parzinhos freqüentemente atravessam essas etapas fora de seqüência. Tão ansiosos estão eles de achar amor, que pulam os preliminares e se precipitam no romance. Mas todo o romanticismo não produz necessariamente amor duradouro se uma amizade forte não foi estabelecida primeiro.

A maior parte dos parzinhos tende a agir precipitadamente e se casa depressa demais. Todo casal faria bem em se conhecer durante dois anos antes do casamento. Idealmente, um total de um ano devia ser gasto nas etapas 1, 2 e 3, alimentando primeiro uma amizade de modo lento e cuidadoso.

Para ganhar o amor e respeito de seu parceiro, a maior parte das pessoas mostra somente seu lado melhor e tenta ocultar suas faltas e deficiências. Crê que se a outra pessoa soubesse de suas faltas e idiossincrasias não seria bastante boa ou amável. Assim eles agem como se essas faltas não fossem parte de sua personalidade — por algum tempo — permitindo que seu namorado veja somente o seu melhor lado. Tal comportamento não passa de uma mascarada.

Muitas pessoas podem encobrir suas tendências negativas por um ano. Raramente pode tal jogo de esconder durar mais tempo. Portanto, quando um parzinho se precipita no casamento, não permitiu tempo suficiente para as máscaras cairem. Estão se casando com um estranho virtual. A aceleração de relações é tão excitante que sentimentos românticos continuam vivos quando deviam começar a murchar. Ao se intensificar a euforia, o prazer de fazer coisas agradáveis juntos cega o casal à realidade. Casar-se apressadamente, sem tomar tempo suficiente para conhecer uma pessoa, é precipitar-se numa relação na base de suposições. Suposições fazem horríveis parceiros no casamento.

Pesquisadores na Universidade de Kansas acharam “uma correlação forte…entre o tempo gasto namorando seus cônjuges atuais e satisfação marital corrente”. Os pesquisadores notaram que “casais que tinham namorado por mais de dois anos tinham nota alta consistentemente em satisfação marital, ao passo que casais que tinham namorado por um período mais curto tinham notas que variavam de muito altas a muito baixas”.*

Bill e Nina podiam talvez ter salvo seu casamento se seu namoro tivesse incluído este período de dois anos. Nada atrai minha atenção mais depressa do que ouvir um casal falar de casamento sem ter namorado tempo suficiente. Eles seriamente subestimam a necessidade de um relacionamento forte e da habilidade de se comunicar para resistirem a crises financeiras, dias de enfermidade e mal-entendidos.

A regra dos dois anos se aplica aos que já tenham se casado anteriormente. Alguns dos fiascos maiores envolvem indivíduos que tinham se casado antes e pensam que porque “têm experiência”, eles podem pular todo o “negócio de criança”. “Afinal”, declaram “não somos adolescentes”.

Todo casal, apesar de sua idade, circunstâncias ou experiência, devia gastar dois anos inteiros para avaliar sua qualificação para o casamento. Se o fizer, terá uma probabilidade bem maior de fazer uma boa escolha. O conselho mais importante que dou para casais pode ser resumido em três palavras: “Tomem tempo”.

Relações apressadas

Progredindo demasiado rapidamente numa relação causa dois problemas. Primeiro, há uma possibilidade forte de que o casal não diminua o passo suficientemente para desenvolver as habilidades necessárias para manter uma relação a longo termo. Habilidades de relacionamento, tais como comunicação, resolução de conflito, provavelmente ficarão sem serem testadas. Casais imaturos tendem a resolver seus conflitos na cama, especialmente se essa rotina foi aprendida no passado. Seu relacionamento carece de profundidade, e o primeiro sinal de dificuldade indica uma ameaça séria.

Em segundo lugar, desenvolver relacionamento com uma pessoa do sexo oposto é tão eletrificante que é necessário estender o período para que profundidade se desenvolva. Um desejo compulsivo de passarem tempo juntos tanto quanto possível, impele o casal para intimidade física e compromisso.

Quando um casal experimenta uma forte atração sexual, eles assumem que se amam e se casam na base de excitação sexual apenas. Depois de se casarem descobrem que têm poucos interesses em comum e personalidades incompatíveis. São diferentes em muitos aspectos da vida, desde o que fazer num feriado até como gastar seu dinheiro. No meio de um tal caos, descobrem que seu interesse sexual também declina. Quando acordam para aquilo que todo mundo já via, divorciam-se. Não experimentavam amor, mas paixão.

Desenvolver intimidade física é mais excitante e dá menos trabalho do que desenvolver intimidade nos níveis emocional, espiritual e de amizade. Isso torna a intimidade física mais difícil de ser controlada. Mas pode ser controlada se você usar seus encontros cuidadosamente. Algumas atividades formam relacionamentos lentamente mas de modo seguro no nível de amizade; outras atiram o casal na intimidade física. Uma tarde gasta explorando uma cidade histórica é mais edificante do que gastar o dia afagando-se sobre um cobertor na praia.

Cathy Guise de um desenho animado diz: “Sou bonita, inteligente, encantadora, talentosa e pronta a partilhar minha vida com alguém, Charlene! Quero sonhar com alguém…pla-nejar com alguém…quero que alguém esteja à minha espera!”

Charlene responde: “Meu marido tem um amigo simpático que…”

“Ora bolas!” Cathy exclama, “Um trama?? Nada de tramas!! Estou pronta para me casar. Não estou pronta para encontros”.

Muitas pessoas são como Cathy. Casamento é seu alvo, mas não querem passar pelo processo de preparar-se adequadamente para atingir o alvo. Querem o prêmio, mas não querem pagar o preço.

Seja mais esperta que tais pessoas. Em vez de ficar envolvida sexualmente e mais tarde tentar formar uma amizade, avance mediante relacionamento, e não regrida. E tome tempo!

Nancy L. Von Pelt é uma profissional de vida de família que escreveu 22 livros. Este artigo é adaptado de seu livro Smart Love (Grand Rapids, Michigan: Fleming H. Revell, 1997). Este livro foi revisto no Diálogo 11:1 (1999), pág. 32. O endereço da Sra. Van Pelt: 493 Timmy Avenue; Clovis, California 93612-0740; E.U.A. E-mail: vanpelt5@juno.com. Sua [web site]: heartnhome.com

Nota

*Citado em Neil Clark Warren, Finding the Love of Your Life (Colorado Springs, Colorado: Focus on the Family, 1992), pág. 9.

Anúncios

Responses

  1. agradeço inmensamente a Deus, e abraços ao promotor da informação que acabei de ler “namoro” muitos sucessos que Deus abençoe…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: